Investir em imóveis: entenda porque é um bom investimento!

Antes de falarmos sobre imóveis como investimento, é importante entender que a economia não é simples, pois ela acompanha as expectativas das pessoas em relação à sua vida financeira e as movimentações políticas de todo o mundo.

Quando vemos o noticiário econômico, notamos que os economistas fazem uma previsão de como a economia se comportará. Eles analisam o cenário e traçam uma estimativa.

Em todas essas estimativas, um ativo sempre aparece como uma opção de investimento rentável: o mercado imobiliário. Mas, por quê? Como se lucra com imóvel? Quando vale a pena comprar?


Para ajudá-lo a responder essas questões, decidimos publicar este artigo!

Por que os imóveis são bons investimentos?


A moradia é uma necessidade básica das pessoas. Portanto, sempre existirá demanda por esse produto (compra) ou serviço (aluguel). Além disso, ter um lugar para morar é uma garantia de segurança. É por isso que as pessoas se esforçam tanto para ter uma propriedade desse tipo.

Sendo assim, o risco de depreciação, ou seja, o risco de o investimento perder o valor é baixo, já que não há um cenário no qual a procura por imóveis caia. Trata-se de um fenômeno comum em todo o mundo.

O que torna esse investimento arriscado?


O principal risco de investir em imóveis é ver a propriedade parada. Nesse sentido, a localização pode fazer toda a diferença. Vamos a um exemplo: Curitiba é uma capital economicamente próspera.

Por ter uma grande oferta de serviços, empregos etc. ela atrai a atenção de pessoas de todo o Brasil. As chances de um imóvel localizado na capital, ou em uma cidade vizinha, ficar parado é pequena.

Contudo, essa não é a realidade de todas as cidades do Paraná. O município de Adrianópolis, localizado a cerca de 3 horas da capital, pertence à Região Metropolitana de Curitiba, mas por ser uma cidade menos desenvolvida, não atrai a atenção de investidores, empresários e nem de interessados em viver lá.

Se você quiser viver em uma cidade de pequeno porte, você pode comprar um imóvel nela. Você só não pode criar expectativas com lucro na hora de vender ou locar, pois a demanda, nesse caso, é baixa.

O que mais devo avaliar?


A estrutura do imóvel também é muito importante. Sendo assim, escolha imóveis construídos por empresas com tradição no mercado. Vender ou alugar imóveis que precisem de algum tipo de reforma pode ser bem mais difícil.

Ademais, se você estiver comprando na planta, certifique-se de que está fazendo negócio com uma empresa respeitada, que não irá atrasar a entrega. Outro ponto importante é buscar imóveis que ofereçam serviços essenciais aos moradores, como um sistema de segurança, portaria, áreas de recreação etc.

Agora é um bom momento para investir em imóveis?


A imensa maioria das pessoas recorre a um financiamento para comprar um imóvel, já que essas propriedades têm um custo elevado para o pagamento à vista.

Nesse sentido, estamos vivendo um ótimo momento, pois os juros estão baixos. Devido à pandemia, o Governo tem trabalhado para que tomar um empréstimo fique mais barato, pois isso é importante para retomada econômica.

A taxa Selic está no menor valor em anos. No entanto, os juros podem subir com o passar do tempo, acompanhando a retomada econômica. Sendo assim, comprar um imóvel hoje pode, sim, ser mais barato do que esperar.

Esse investimento se torna ainda mais acessível se você recorrer a linhas de crédito do Casa Verde e Amarela (antigo Minha Casa Minha Vida), usar o seu saldo do FGTS ou comprar de forma conjunta.

Investir na compra de imóveis segue sendo a forma mais segura de preservar ou construir um patrimônio. Deixar o dinheiro parado é uma péssima ideia, já que ele é corroído pela inflação.

Investir em mercados que não se domina é ainda mais arriscado. Nos últimos anos, milhares de brasileiros perderam dinheiro comprando ações, pois o mercado de ações é muito complicado e pede anos de experiência por parte do investidor. Nem todos conseguem lucro.

Já o mercado imobiliário segue atendendo a uma demanda crescente por moradia. Essa demanda existia há 50 anos e continuará existindo nas próximas cinco décadas. Por isso, programe-se para investir em imóveis!